Aeroporto do Pico: SATA estima ampliação em 15 ME

0 / 3123

No parecer remetido à Comissão de Economia do parlamento açoriano, no âmbito da auscultação da petição pública “Pelo aumento das condições de operacionalidade do Aeroporto da Ilha do Pico”, entregue a 22 de julho de 2017, a SATA (que detém 100 por cento da SATA Gestão de Aeródromos, entidade que gere o Aeroporto do Pico), considera ser possível ampliar a pista daquele aeroporto para os 2 300 metros com um custo a rondar os 15 milhões de euros, excetuando os custos de expropriações de terrenos.

De acordo com o parecer, a pista do Aeroporto do Pico impõe restrições de performance à operação de aeronaves de médio curso do tipo Airbus A320 e Boeing 737-800, equipamentos que necessitam de uma pista “com cerca de 2 000 metros disponíveis para a aterragem e 2 300 metros para a descolagem de forma a garantir-se a operação sem limitações de payload e mesmo de performance, contribuindo para a redução das irregularidades operacionais”.

Ou seja, só nestas condições, aeronaves como o A320 e o Boeing 737-800 poderão descolar com 77 toneladas, o seu peso máximo à descolagem. Atualmente, os comprimentos de pista disponíveis no Aeroporto da Ilha do Pico são, na pista 27, de 1 745 metros para a descolagem e 1 655 para a aterragem e, na pista 09, de 1655 metros para a descolagem e 1580 para a aterragem.

Em relação ao grooving, cujo concurso público já foi lançado pelo Governo Regional, o parecer da SATA salienta que trata-se de um sistema que pode evitar cancelamentos em condições de chuva forte mas que, no entanto, “não permite aumentar o peso com que as aeronaves podem aterrar com pista molhada, sem um efetivo aumento do comprimento da pista disponível para a aterragem”.

Ainda segundo a SATA, “as maiores aeronaves da família A320 e Boeing 737 (A321, A321Neo e B737-900) simplesmente não têm performance suficiente para operar com um payload igual ou superior ao que os modelos mais pequenos conseguem transportar na atual pista, pelo que a sua operação não é viável”.

12.12.2017


Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *